1. Capa
  2. → Notícias
  3. → Mulheres indígenas estão na luta pela terra e sofrem ameaças de madereiros

Mulheres indígenas estão na luta pela terra e sofrem ameaças de madereiros

facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmailfacebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Maria Leonice Tupari, 39 anos, é uma das 22 multiplicadoras do projeto Voz das Mulheres Indígenas Fotos: Isabel Clavelin/ONU Mulheres
Maria Leonice Tupari, 39 anos, é uma das 22 multiplicadoras do projeto Voz das Mulheres Indígenas
Fotos: Isabel Clavelin/ONU Mulheres

No seu sobrenome, Maria Leonice Tupari carrega a sua etnicidade. Seus antepassados e antepassadas foram forçadas a migrar do Mato Grosso para Rondônia, como resultado da escravização por seringueiros. É com os olhos marejados e a voz entrecortada que Maria relembra histórias de vida marcadas pela violência num tempo que as “mulheres indígenas eram dadas” e seu povo era alvo da expropriação cultural que lhes impedia de falar a língua materna.

Aos 39 anos e mãe de quatro filhas e um filho, Maria Leonice Tupari é da Terra Indígena Rio Branco, cortada pelo Rio Branco e Rio Guaporé, do município Alta Floresta do Oeste. Num território demarcado e homologado, convive com nove povos: Arua, Makurap, Kampé, Tupari, Dihoi, Jabuti, Sakirabia, Kanoê, Arikapú. Atualmente, vive na tribo indígena Sete de Setembro, habitada pelos Paiter Suruí, no município de Cacoal. Desde junho de 2015, Leonice é uma das multiplicadoras do projeto Voz das Mulheres Indígenas, o qual tem proporcionado o fortalecimento da consciência delas sobre a sua organização política.

A vez das mulheres – “Nas conversas, vemos que as mulheres querem ocupar os espaços como os homens. Não somente fora das aldeias, mas também dentro das aldeias, seja como professoras ou na área da saúde. Elas vêm falando sobre ter os mesmos direitos do que os homens nos nossos territórios. Elas querem ser reconhecidas. Estão na luta pela terra. Elas estão enfrentando dificuldades, porque estão sendo ameaçadas por madeireiros. Isso é algo que vem acontecendo não somente na nossa região. Vejo isso como ponto comum e ocorrência em outros estados”, constata.

Leonice é casada com um indígena do povo Paiter Suruí. E é das mulheres dessa etnia que ela resgata o modo de vida. “As mulheres Suruí costumam ficar em casa e têm pouco contato com outras sociedades. São muito reservadas. Gostam de artesanato e cuidar das crianças. Elas plantam e fazem cerâmica. As jovens estão vendo que precisam participar e se envolver mais com as questões políticas, principalmente diante dos problemas que enfrentamos com o Congresso Nacional e a violação dos direitos”, diz.

Diálogos intergeracionais – Nas andanças como multiplicadora do projeto Voz das Mulheres Indígenas, Leonice se deparou com a riqueza das trocas intergeracionais. “Numa oficina, observei que a participação das mulheres idosas anima a participação das mulheres mais jovens. Elas não falam Português, mas falam entre elas. As mais velhas faziam a discussão e as jovens traduziam para as demais pessoas. Elas estão vendo esse lado, mas querem manter o seu jeito reservado”, revela Leonice a sabedoria compartilhada pelas mulheres mais velhas e o seu papel no empoderamento das mulheres indígenas jovens.

No meio das duas gerações, Leonice Tupari demonstra o desejo de que suas filhas e filho continuem a luta dos povos indígenas. “Como liderança, a gente quer que nossos filhos sigam os nossos passos na militância. Meu maior sonho é ver minhas filhas dentro do movimento, defendendo o nosso povo. Trago-as e puxo mesmo para a reunião”, pontua.

Cheia de orgulho, ela conta que a filha Márcia, de 21 anos, é secretária da organização em que milita. E abre um sorriso que emoldura o rosto, revelador de um coração leve ao falar de sua descendência que casou cedo: “Pelo menos uma coisa eu tenho garantida. Elas são casadas com indígenas. Isso nos fortalece muito. O contrário é um desandamento”, conclui.

 

.:matéria completa>>

mais notícias ++++

aaa-1

Denúncia entregue à ONU sobre as invasões no Uru-eu-wau-wau

Carta entregue à ONU pelo chefe Almir Suruí para denunciar as invasões que vem ocorrendo na Terra Indígena Uru-eu-wau-wau em Rondônia.  Leia mais

ameaça

Novo relatório do Imazon apresenta ranking das dez Áreas Protegidas com mais ameaça de desmatamento

Novo relatório do Imazon apresenta ranking das dez Áreas Protegidas com mais ameaça de desmatamento e duas são de Rondônia: Terra Indígena Karipuna e APA Rio Preto Veja análise completa: http://bit.ly/2fR50qT  Leia mais

neidinha-brasilia

Kanindé lutando pelos indígenas em Brasília

 A sócia fundadora da Kanindé, Ivaneide Bandeira “Neidinha”, está nesta semana em Brasília para uma série de atividades. Em reunião do Conselho Nacional do Meio Ambiente, Neidinha denunciou o desmatamento em Rondônia, a sobreposição de terras indígenas, o aumento das cotas para hidrelétricas e invasões das Unidades de Conservação e Terras Indígenas. Além disso, participou […]  Leia mais

tanques

Investimento em piscicultura em terras indigenas

Kanindé está construindo e reformando tanques de piscicultura na Terra Indígena Igarapé Lourdes para os povos Gavião e Arara. As obras fazem parte do projeto Amazônia Indígena Sustentável com apoio do BNDES e das associações indígenas ASSIZA e Karo Pajgap.  Leia mais

feira-semente

Troca de sementes, Troca de Saberes

Está acontecendo na Aldeia Gãpgír do povo Paiter Suruí a I Feira de Sementes Indígenas de Rondônia. O objetivo do evento é promover o debate sobre a segurança alimentar nas terras indígenas com a troca de sementes e saberes. Além disso, é um espaço importante para conhecer os trabalhos desenvolvidos atualmente nas Terras Indígenas e […]  Leia mais

peq

Solidariedade aos indígenas norte americanos

Não são só as terras indígenas Brasileiras que sofrem constantes ataques. No estado de Dakota do Norte, nos EUA, um projeto quer construir oleodutos que ameaçam suprimentos de água e locais sagrados dos nativos americanos. Nós da KANINDÉ prestamos solidariedade à luta dos companheiros indígenas. #NoDAPL  Leia mais

invasões

Tribos isoladas da Amazônia sofrem ‘pior invasão em décadas’

O território dos indígenas Uru Eu Wau Wau, na Amazônia brasileira, está sofrendo a “pior invasão em décadas”, que ameaça exterminar três tribos isoladas, denunciou nesta quarta-feira a ONG britânica Survival. Um comunicado da ONG diz que, com o apoio de políticos locais, proprietários de terras e colonos estão invadindo e desmatando áreas contíguas ao […]  Leia mais

sobrevoo-4

Carta das organizações indígenas e indigenistas sobre a criação de novo mecanismo de financiamento de projetos dos povos indígenas

O Fundo Amazônia foi criado para apoiar ações que contribuam com a prevenção, monitoramento e combate ao desmatamento e promoção da conservação e uso sustentável da Amazônia Legal. O público alvo prioritário do Fundo são as comunidades tradicionais e povos indígenas, assentados da reforma agrária e agricultores familiares, conforme definido nos critérios orientadores do Fundo […]  Leia mais

tanque-gaviao

Construção e Reforma de tanques de piscicultura

A Kanindé está construindo e reformando tanques de piscicultura na Terra Indígena Igarapé Lourdes para os povos Gavião e Arara. As obras fazem parte do projeto Amazônia Indígena Sustentável com apoio do BNDES e das associações ASSIZA e Karo Pajgap.  Leia mais

asdfa-4

Kanindé apresenta Plano de Manejo da Resex Rio Cautário

A Kanindé apresentou em Costa Marques o Plano de Manejo da Reserva Extrativista Estadual Rio Cautário. O projeto começou há cerca de dois anos e é um estudo detalhado não só da fauna e flora da região como também da história das comunidades no local. Com o Plano de Manejo em mãos, agora os extrativistas […]  Leia mais