Capa  Destaques ONG lança página na internet com informações sobre unidades de conservação ambiental

ONG lança página na internet com informações sobre unidades de conservação ambiental

CAROLINA GONÇALVES FONTE: AGÊNCIA BRASIL

As principais características de algumas unidades de conservação (UCs) brasileiras, como espécies que habitam o local e biomas existentes, começaram a ser reunidas em uma página da internet - observatorio.wwf.org.br - criada pela organização não governamental (ONG) WWF Brasil. Mesmo com a falta de dados de algumas regiões, o Observatório de Unidades de Conservação, como foi batizado o projeto, já pode ser consultado por qualquer pessoa.

O espaço virtual concentra dados como o tamanho das unidades, mapas, fotos, principais ameaças, legislação e informações sobre outros sistemas oficiais, como o monitoramento de chuvas ou o Cadastro de Conservação, mantido pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA). Com o sistema de busca, é possível organizar informações por estados, categoria (se é parque nacional, reserva extrativista ou floresta estadual, por exemplo), esfera (federal ou estadual) e grupo (proteção integral ou uso sustentável).

Para Giovanna Palazzi, do Departamento de Áreas Protegidas do ministério, o banco de dados pode contribuir para o mapeamento e o acompanhamento feitos pelo governo, que já cadastrou e validou, tecnicamente, 1,7 mil unidades de conservação (UCs) do país. “Hoje temos 100% das UCs federais, além de quase 95% das estaduais. Agora estamos entrando com as informações municipais. A ideia é aprimorar o cadastro com esses outros instrumentos criados por parceiros”.

Maria Cecília Wey de Brito, secretária geral da WWF Brasil, acredita que, além de ser uma fonte atualizada de informações, o observatório também vai funcionar como um instrumento de cobrança de políticas e ações do Poder Público. “Para os tomadores de decisão, a importância das UCs já deveria estar clara. Se não está, os dados mostram o capital que o país tem, o que está faltando para fazer melhor e as ameaças [às unidades]. Quando [o Poder Público] vê que só tem uma unidade em Mato Grosso do Sul que conserva o que restou do Rio Paraná, não vai ter argumentos para, naquele pedaço do rio, fazer uma obra”.

A representante da ONG acredita que as autoridades brasileiras precisam rever conceitos de valor dessas unidades. Ela lembra que, recentemente, a WWF precisou reunir estudos e promover debates para garantir a preservação de uma área de restinga no litoral paulista que poderia ter se transformado em mais uma área de exploração imobiliária.

 

 

mais notícias em destaque ++++

Mulheres Paiter Suruí inauguram loja de artesanato em Cacoal

As mulheres produzem colares a partir de vários elementos, entre eles contas de tucumã, dentes de macaco, contas e casco de tatu, pêlos de ouriço-cacheiro e favas do mato. Os coquinhos de tucumã são quebrados, cortados com faca, perfurados, enfiados em uma linha amarrada em duas pontas e lixados com pedra, por vezes numa extensão de dez metros ... Leia mais

Indígenas Paiter Suruí recebem roçadeiras da Associação Metareilá

No último dia 19 e 20 de Fevereiro, o Líder Maior/Coordenador Geral da Associação Metareilá Almir Naraymoga Surui fez a entrega de roçaderias agrícolas que vão prestar auxilio no trabalho diário das famílias pertencentes às comunidades Paiter, da Terra Indígena Sete de Setembro. A aquisição de um lote de quatorze roçadeiras foi conquistada ... Leia mais

Kanindé participa da elaboração da política de mudanças climáticas e serviços ambientais de Porto Velho

Primeira reunião do COMDEMA e apresentação do Plano de Trabalho do IDESAM sobre a elaboração da política de mudanças climáticas e serviços ambientais. Porto Velho será a primeiro município da Amazônia com esta lei. ... Leia mais

próximo >

Carregando ...

[<<]

[>>]

[X]