Capa  Destaques ONG lança página na internet com informações sobre unidades de conservação ambiental

ONG lança página na internet com informações sobre unidades de conservação ambiental

CAROLINA GONÇALVES FONTE: AGÊNCIA BRASIL

As principais características de algumas unidades de conservação (UCs) brasileiras, como espécies que habitam o local e biomas existentes, começaram a ser reunidas em uma página da internet - observatorio.wwf.org.br - criada pela organização não governamental (ONG) WWF Brasil. Mesmo com a falta de dados de algumas regiões, o Observatório de Unidades de Conservação, como foi batizado o projeto, já pode ser consultado por qualquer pessoa.

O espaço virtual concentra dados como o tamanho das unidades, mapas, fotos, principais ameaças, legislação e informações sobre outros sistemas oficiais, como o monitoramento de chuvas ou o Cadastro de Conservação, mantido pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA). Com o sistema de busca, é possível organizar informações por estados, categoria (se é parque nacional, reserva extrativista ou floresta estadual, por exemplo), esfera (federal ou estadual) e grupo (proteção integral ou uso sustentável).

Para Giovanna Palazzi, do Departamento de Áreas Protegidas do ministério, o banco de dados pode contribuir para o mapeamento e o acompanhamento feitos pelo governo, que já cadastrou e validou, tecnicamente, 1,7 mil unidades de conservação (UCs) do país. “Hoje temos 100% das UCs federais, além de quase 95% das estaduais. Agora estamos entrando com as informações municipais. A ideia é aprimorar o cadastro com esses outros instrumentos criados por parceiros”.

Maria Cecília Wey de Brito, secretária geral da WWF Brasil, acredita que, além de ser uma fonte atualizada de informações, o observatório também vai funcionar como um instrumento de cobrança de políticas e ações do Poder Público. “Para os tomadores de decisão, a importância das UCs já deveria estar clara. Se não está, os dados mostram o capital que o país tem, o que está faltando para fazer melhor e as ameaças [às unidades]. Quando [o Poder Público] vê que só tem uma unidade em Mato Grosso do Sul que conserva o que restou do Rio Paraná, não vai ter argumentos para, naquele pedaço do rio, fazer uma obra”.

A representante da ONG acredita que as autoridades brasileiras precisam rever conceitos de valor dessas unidades. Ela lembra que, recentemente, a WWF precisou reunir estudos e promover debates para garantir a preservação de uma área de restinga no litoral paulista que poderia ter se transformado em mais uma área de exploração imobiliária.

 

 

mais notícias em destaque ++++

Coordenadora da KANINDÉ participa do Fórum SIDA na Suécia

Ivanete Cardozo Bandeira, coordenadora da Associação de Defesa Etnoambiental Kanindé participou nos últimos quatro dias do Forum SIDA, na cidade de Härnösand na Suécia, direcionado a pessoas que coordenam instituições que recebem estagiários suecos do Programa de Formação de Jovens. Desde junho do ano passado a Kanindé tem recebido a visita ... Leia mais

Cacoal vai receber em maio o Congresso Internacional de pesquisa científica da Amazônia

O Congresso Internacional de pesquisa científica da Amazônia será realizado em Cacoal de 01 a 03 de maio no Centro de Formação Paiter Suruí, no distrito de Riozinho.

Kanindé conclui o segundo curso de Gestão de Áreas Protegidas

A Associação Kanindé ofereceu durante o período de 18 a 21 de abril de 2015, no Centro de Formação e Cultura em Porto Velho, o II curso de Gestão de Áreas Protegidas. Participaram acadêmicos da Universidade Federal de Rondônia, União das Escolas Superiores de Rondônia, Faculdade São Lucas, técnicos da Ação Ecológica Guaporé (ECOPORÉ) e ... Leia mais

próximo >

Carregando ...

[<<]

[>>]

[X]